Photos
Posts

Professor de São José do Rio Preto (SP) mudou a rotina em uma escola municipal, que enfrentava a indisciplina na sala de aula e o tráfico de drogas, e agora est...á entre os dez melhores educadores do mundo. Diego Mahfouz Faria Lima, diretor de escola, é finalista do Global Teacher Prize.
.
Saiba mais: https://goo.gl/aRbe4p

See More
'Inacreditável', diz professor escolhido entre os 10 melhores educadores do mundo
revistaprosaversoearte.com|By Prosa, Verso e Arte

São 3 mil livros raros da coleção do casal Guita e José Mindlin à disposição dos leitores. Podem ser acessados pelo celular ou tablet a qualquer hora e lugar, g...ratuitamente, por estudantes, pesquisadores e interessados de todo o mundo. E o mais importante: as obras já estão disponíveis para download.
.
Saiba mais:

See More
Biblioteca da USP adota nova plataforma para facilitar acesso gratuito – até por celular e tablet – a 3 mil obras
revistaprosaversoearte.com|By Prosa, Verso e Arte
Posts

Aconteceu de fato, gente: sonhei que estava com uma rapaziada bacana, tentando entender como era o alojamento comunitário onde a gente estava, como é que a gente ia comer, e como ia lidar com toda a programação. Só ao acordar entendi: estava sonhando que tinha ido ao FÓRUM SOCIAL MUNDIAL.

Não, não vou poder ir pessoalmente, mas recomendo! Outra hora escrevo sobre o papel que o movimento "altermundista" ( = "um outro mundo é possível") teve na resistência à ofensiva neoliberal dos anos 90 e no estabelecimento da onda progressista no "Sul do Mundo" entre 2000 e 2014... Sempre fui um "participante remoto" do FSM, a vida nunca me proporcionou estar em um fisicamente - mas vão lá e eu me sentirei participando através de vocês! [Ralf Rickli]

MAR13
Mar 13 - Mar 17Salvador, BA, Brazil
11,829 people interested

É isso aí!

That's it!
Translated
It looks like you may be having problems playing this video. If so, please try restarting your browser.
Close
200,104 Views
Observe

Meritocracia é uma balela para a neurociência.
por Guilherme Brockington

Curta Observe
Vídeo por Casa do Saber

50 obras essenciais sobre o Brasil para baixar de graça!
.
A Coleção tem como base os temas gerais definidos por Darcy Ribeiro: O Brasil e os brasileiros; Os cr...onistas da edificação; Cultura popular e cultura erudita; Estudos brasileiros e Criação literária. Reúne obras literárias e também científicas produzidas no Brasil e sobre o Brasil a partir do século XVI. Dentre os autores destacamos Hans Staden, que apresenta a primeira obra publicada sobre o Brasil em 1564, Manuel Bonfim, Alcantara Machado, Euclides da Cunha, Joaquim Nabuco, Silvio Romero, Visconde de Taunay, Rui Barbosa, Capistrano de Abreu, Lima Barreto, entre outros.
.
Saiba mais:

See More
A Coleção tem como base os temas gerais definidos por Darcy Ribeiro: O Brasil e os brasileiros; Os cronistas da edificação; Cultura popular e cultura erudita; Estudos brasileiros e Criação literária. Reúne obras literárias e também científicas produzidas no Brasil e sobre o Brasil a parti...
revistaprosaversoearte.com|By Prosa, Verso e Arte
Ralf Rickli

FOUCAULT ‘FALA’ EM 1976 SOBRE A FALSA CIÊNCIA DA SEXUALIDADE, JÁ DENUNCIADA POR KINSEY 20 ANOS ANTES, QUE 40 ANOS DEPOIS OS EVANGÉLICOS SE EMPENHAM EM RESSUSCIT...AR *

“Pelo menos até Freud, o discurso sobre o sexo - o dos cientistas e dos teóricos - não teria feito mais que ocultar continuamente o que dele se falava. [...] Era ... uma ciência essencialmente subordinada aos imperativos de uma moral, cujas classificações reiterou sob a forma de normas médicas. A pretexto de dizer a verdade, em todo lado provocava medos; atribuía às menores oscilações da sexualidade uma dinastia imaginária de males fadados a repercutirem sobre as gerações; [...] no final dos prazeres insólitos colocou nada menos do que a morte: a dos indivíduos, a das gerações, a da espécie.

Vinculou-se, com isso, a uma prática médica insistente e indiscreta, volúvel no proclamar suas repugnâncias, pronta a correr em socorro da lei e da opinião dominante; mais servil ante as potências da ordem do que dócil às exigências da verdade. Involuntariamente ingênua nos melhores casos e voluntariamente mentirosa nos mais frequentes. [...]

Quando se compara tais discursos sobre a sexualidade humana com o nível, na mesma época, da fisiologia da reprodução animal ou vegetal, a defasagem é surpreendente. Seu fraco teor, e nem mesmo falo de cientificidade, mas de racionalidade elementar, coloca-os à parte na história dos conhecimentos. O sexo, ao longo do século XIX, parece inscrever-se em dois registros de saber bem distintos: uma biologia da reprodução desenvolvida continuamente segundo uma normatividade científica geral, e uma medicina do sexo obediente a regras de origens inteiramente diversas.

Entre uma e outra, nenhum intercâmbio real; [...] a primeira desempenhou apenas, em relação à outra, uma espécie de garantia longínqua, e ainda assim bem fictícia [...], sob cujo disfarce os obstáculos morais, as opções econômicas ou políticas, os medos tradicionais podiam-se reescrever num vocabulário de consonância científica. Tudo se passava como se uma resistência fundamental se opusesse à enunciação de um discurso racional sobre o sexo humano. [...] Por trás da diferença entre a fisiologia da reprodução e a medicina da sexualidade seria necessário ver algo a mais do que um progresso desigual [...]: uma diria respeito a essa imensa vontade de saber que sustentou a instituição do discurso científico no Ocidente, ao passo que a outra corresponderia a uma vontade obstinada de não-saber.”

* FOUCAULT, M. “História da Sexualidade I: a vontade de saber”, p.54-55. 3ª edição. Rio de Janeiro: Graal, 1977. -- Admito que há uma certa hipersimplicação na formulação do título que atribuí a este trecho, mas se trata apenas de uma espécie de zoom-out que faz as coisas parecerem mais próximas do que realmente estão, sem porém falsear a relação entre elas, apenas facilitando sua apreensão. [Ralf Rickli]

See More
Em países periféricos como o Brasil, a ignorância é mantida porque serve para promover a apatia da população – e, como consequência, a pobreza se perpetua como eficaz instrumento de dominação
brasil.elpais.com

FUNDAMENTAL!

It looks like you may be having problems playing this video. If so, please try restarting your browser.
Close
Posted by PorQueNão ?
700,871 Views
700,871 Views
PorQueNão ?

Mais natureza para as nossas crianças!

Olha que beleza de vídeo:

(Richard Louv em entrevista para o Programa Criança e Natureza)

No automatic alt text available.
Ralf Rickli

VAMOS FALAR HONESTAMENTE:

(1) É claro que a maconha tem que ser descriminalizada, do mesmo modo que o álcool não deve ser criminalizado - apesar de não ser inof...ensivo.

(2) Estamos carecas de saber que a maconha serve de medicamento - mas medicamento é pra quem tá doente. Maconha não é bom pra tudo; apenas, na dose e forma certa, para algumas patologias específicas.

(3) Em uso regular por gente que não sofre dessas patologias, a maconha é uma fábrica de sonhadores impotentes, de gente incapaz de ação suficientemente concreta, direcionada e continuada para fazer diferença positiva na vida individual e social. No resultado final, UMA TREMENDA FÁBRICA DE BABACAS.

Palavra de quem foi usuário por dez anos (interrompidos há 32) e, mais tarde, atento educador de jovens por pelo menos 15 anos. [Ralf Rickli]

See More

O especialista defende que, na infância, a prioridade deve ser o livre brincar, atividade que não pode ser repetida em outra etapa da vida e que é capaz de estimular uma série de competências humanas que nenhuma sala de aula poderá ensinar.
.
Leia a entrevista: https://goo.gl/PgHhXg

The expert argues that in childhood the priority must be free play, activity that cannot be repeated at another stage of life and that is able to stimulate a series of human skills that no classroom can teach. . Read the interview: https://goo.gl/PgHhXg
Translated
É cada vez mais comum ver crianças precisando lidar com agendas atribuladas, preenchidas com aulas de idioma, música, reforço, teatro, esportes.
revistaprosaversoearte.com|By Prosa, Verso e Arte
Image may contain: 2 people, text
Crescer Sem Violência

Se você quer um mundo melhor para seus filhos, comece deixando pessoas melhores e mais amorosas no mundo. Para isso, não bata; eduque! É possível orientar limites a uma criança sem bater. Nós temos competência para isso!

If you want a better world for your children, start leaving better and more loving people in the world. For that, do not hit; educate! It is possible to steer limits to a child without knocking. We have competence for that!
Translated

Querid@s amig@s, neste pequeno texto questiono a pertinência ou não deste meu livro no contexto de 2017. Contém também a sinopse e o link dos cinco "fascículos virtuais" em PDF, em que o livro está disponível na internet, sem custo. Convido a darem uma espiada!

Querid@S Amig@S, in this small text I question whether or not my book in the context of 2017. Also contains the synopsis and link of the five "Virtual published" in PDF, in which the book is available on the internet Cost. I invite you to take a peek!
Translated
Image may contain: 3 people, people smiling, people sitting and text
Ralf Rickli to Casa do Túlio que foi à África

O LIVRO “O DIA EM QUE TÚLIO DESCOBRIU A ÁFRICA”
em 1994 e na Primavera Preta de 2017
- Ralf Rickli

Em seis décadas de vida, não tenho lembrança de ter visto na...da semelhante a 2017 em termos de expansão da consciência negra na sociedade brasileira: uma movimentação riquíssima, com muitas facetas e em muitos níveis, na qual a própria existência de tensões internas não deveria ser vista como fraqueza e sim como sinal de vitalidade e potência. Uma Primavera Preta - me sinto tentado a dizer - sem nenhuma certeza de que a expressão é apropriada, inclusive porque uma das questões centrais nesse borbulhamento tem sido a do LUGAR DE FALA, discussão incômoda porém necessária e legítima.

Em 2014 um órgão público mostrou interesse em publicar uma edição atualizada de “O dia em que Túlio descobriu a África”, um livro sobre história das civilizações africanas destinado ao público brasileiro não acadêmico que eu havia escrito em 1994. Dediquei meses de esforço a essa atualização, mas, atropelada por problemas políticos, a edição impressa acordada acabou não saindo. Em face disso, em novembro de 2016 eu mesmo lancei uma edição exclusivamente virtual, gratuita, em cinco fascículos PDF que somam cerca de 400 páginas.

Um ano depois, no entanto, me confesso relutante em insistir na promoção desse material - justamente por estarmos em meio a essa tremenda erupção de consciência da potência de autonomia do povo preto brasileiro. Não parece cair bem, neste contexto, um livro sobre África escrito por alguém que, EMBORA TAMBÉM AFRODESCENDENTE, não o é em medida reconhecível pela pele, cabelo e traços - sendo que a violência do racismo se manifesta justamente diante da pele, cabelo e traços, e não diante de um conteúdo genético invisível a olho nu nem de uma identificação do coração e mente com essa ancestralidade invisível.

Confesso que, se “o Túlio” já não existisse há mais de duas décadas, eu preferiria deixar de escrevê-lo e sugerir a jovens negros que escrevessem materiais com a função para a qual ele foi concebido. Teria prazer em contribuir com a pesquisa de fontes e dados, e dialogar sobre a comunicabilidade do texto (visto a experiência que tenho na área), mas sem assumir o protagonismo autoral.

Acontece que a situação era bem diferente em 1993-94, quando fui provocado a escrevê-lo e aceitei o desafio. Naquele momento eu era uma das poucas pessoas no Brasil que havia lido Cheikh Anta Diop, com quem havia topado em 1991, e desde então vinha apresentando sempre que possível sua perspectiva e a de outros autores afrocentrados, ao mesmo tempo em que tentava me conectar a outros pesquisadores da causa frequentando o NEINB - Núcleo de Estudos Interdisciplinares do Negro Brasileiro, na USP.

Naqueles anos pré internet a obtenção dos dados foi árdua. Pronto o texto, nenhuma editora punha fé na temática - inclusive porque a Lei 10.638 só viria nove anos mais tarde. A muito custo foram impressos 300 exemplares em 1997, dos quais resta só um na minha mão. Os outros se espalharam por aí e cumpriram sua função: colecionei, emocionadamente, depoimentos de jovens que disseram que sua perspectiva e seus propósitos de vida foram influenciados decisivamente pela leitura desse primeiro “Túlio”.

A versão atual foi imensamente aperfeiçoada com as possibilidades abertas pela internet; condensa centenas de horas de pesquisa bibliográfica realizada em cinco idiomas. Então... apesar das ressalvas que eu mesmo apresentei acima, talvez não seja um pecado tirar proveito de que tal trabalho esteja aí realizado e colocado à disposição de todos gratuitamente - no que sempre entendi como um tributo prestado amorosamente à nossa ancestralidade comum.

Enfim, manos & manas, posicionem-se como quiserem, e se quiserem o livro está aí, nos cinco fascículos com sinopses e links a seguir:

O DIA EM QUE TÚLIO DESCOBRIU A ÁFRICA
- um livro para jovens, para professores e pra todo mundo

I - A DESCOBERTA
Em crise após um “enquadro” policial violento e preconceituoso, o jovem Túlio se vê levado pelo africano Idrissa Traorê a uma viagem no espaço e no tempo, passando inicialmente pela Dakar atual e várias cidades dos antigos impérios de Ghana e do Máli. https://tr.im/Tulio1

II - NA CAUDA DO COMETA
Na Universidade de Sankorê, em Tombúctu, Túlio participa da abertura do CONPAFRATE (Congresso Pan-Africano Através do Tempo e do Espaço), organizado pela ACORDA (Associação pela Consciência da Relevância da África), onde trava conhecimento com personalidades notáveis da diáspora procedentes de diversos países e séculos, igualmente convidadas a um mergulho em sua história ancestral. https://tr.im/Tulio2

III - ATÉ A MAIS PROFUNDA RAIZ
Túlio e companheiros de viagem conhecem os centros de arte rupestre no meio do Saara fértil de há 10 mil anos, e em seguida, aos pés das pirâmides do Egito no século de sua construção, assistem a uma ampla explicação do Prof. Dr. Cheikh Anta Diop sobre as origens africanas da humanidade e da civilização. https://tr.im/Tulio3

IV - DA IMPERATRIZ CANDACE AO IMPÉRIO DO RAS TAFÁRI
Os viajantes passam pelo Reino de Kush no primeiro século AC, quando sua capital Meroé era a maior produtora de ferro do mundo. No alto do Monte Kilimandjaro são apresentados à civilização portuária suahíli e seu comércio com o Oriente até a violenta chegada dos portugueses. Em seguida visitam a Etiópia e conhecem sua surpreendente e multifacetada história. https://tr.im/Tulio4

V - UM RAIO DE SOL CRUZA O ATLÂNTICO
Os viajantes se reúnem em Luanda, Angola, onde - somente depois de seguros de sua grandeza histórica - debatem os dramas da escravização e de suas consequências, com os olhos postos na sua superação, de onde Túlio volta ao Brasil “de carona num raio de sol”. O fascículo contém ainda a bibliografia e um texto que explica as motivações e opções do autor na escrita do livro. https://tr.im/Tulio5
* * *

See More
Image may contain: 1 person, text
Canto Maternar added a new photo to the album: Reflexões Maternas.

🤗 SOBRE O PODER DO ABRAÇO. 🤗 E A IMPORTÂNCIA DE OLHAR POR TRÁS DO COMPORTAMENTO DA CRIANÇA. 💞

“Há exatamente 19 dias eu postei aqui no face sobre um aluno de 4 ...anos que não sabia respeitar. E eu disse também que estava começando um novo método: a pedagogia do abraço. Para quem não leu, a minha metodologia seria: a cada vez que ele fizesse algo que não devia, eu daria um abraço nele. Já tem 18 dias que eu comecei e estou aqui para postar os resultados.

A primeira vez que eu fiz isso foi logo no dia seguinte do post. Ele estava fazendo bagunça com os blocos, enquanto eu chamava um grupo de cada vez para fazer a atividade. Chamei ele quando vi a bagunça e ele demorou até ir onde eu estava, com medo de levar bronca, apesar da minha voz estar calma. Quando ele chegou eu não disse nada, apenas o abracei. Ele ficou sem entender nada, parado na minha frente, como se esperasse por mais. Falei que ele podia ir e aí ele decidiu sentar ao meu lado pra fazer a atividade ainda sem entender direito o que tinha acontecido. Ao final daquela aula ele fez questão de me dar um abraço de despedida. Até a professora da sala reparou.

A partir desse dia ele foi mudando aos poucos e tem se comportado absurdamente melhor em todas as minhas aulas.

Na turma dele vários alunos querem ser meus ajudantes e ele é um dos que começou a me pedir todo dia e eu sempre digo que sim. Hoje mesmo eu ouvi ele falando para todo mundo sentar na roda quando eu pedi. Antigamente, nesse momento, ele era um dos primeiros a fazer bagunça no chão e agora ele é um dos primeiros a pedir que os outros sentem também.

Quando sentamos na roda hoje ele veio ficar abraçado comigo, no meu colo. Um gesto tão carinhoso que a professora até tirou foto, impressionada com a sua atitude.

Tudo isso foi fantástico e me dá vontade de chorar só de lembrar, de tão emocionante que é. Mas eu ainda não contei a parte mais impressionante. A maior mudança disso tudo foi na verdade comigo e não com ele. Eu passei a olhar mais para ele, dar mais atenção. Se antes ele me tirava do sério, me irritava e me deixava querendo ficar longe, hoje tudo mudou! Hoje eu vejo nele uma criança amável a quem eu não apenas amo, mas também gosto de estar perto e trocar experiências.

O amor muda mesmo as pessoas e isso é apenas mais uma prova disso!”

Texto: Carolina Barra

🌷🌷🌷

Esse texto me arrepiou Porque é preciso muita sensibilidade para entender que uma criança que está se comportando mal está na verdade se sentindo mal por dentro e precisa de acolhimento. Nossa tendência é apontar o dedo e colocar toda a responsabilidade do mau comportamento na criança. Mas como está seu momento de vida Como ela está se sentindo Alguém está olhando para isso e tentando ajudá-la a se sentir melhor Como ela se sente reflete totalmente em como ela age. Pense nisso da próxima vez que você se incomodar com o mau comportamento do seu filho.

"Não existe um bom e um mau comportamento. A única escolha significativa é entre o medo e o amor". - Dr. Gerald Jampolsky

💛 Compartilhe 💛

💙 Inspire outra mãe ou educador@ 💙

Curta: Canto Maternar

Com: Rebecca Eanes

See More

Quando estudava Pedagogia na USP (já mais velho mais ainda menos convencional que boa parte dos meus professores), lembro de ter ouvido dois doutores comentando ironicamente sobre "rubem-alvismos" - que seriam ideias utópicas, sonhadoras, ineficientes e amadoras em educação. Mas tudo depende de que sentido se atribua À VIDA... - e aí a própria palavra "amador(a)" pode se transformar numa avaliação *positiva*

Parada, a imagem inicial deste vídeo pode sugerir que Rubem Alves fosse uma pessoa convencional. Nada mais longe da verdade! Comece a ouvir e veja se consegue parar...

[Este comentário de Ralf Rickli talvez não seja compartilhado a menos que você copie e cole]

It looks like you may be having problems playing this video. If so, please try restarting your browser.
Close
2,743,011 Views
Educação humanista

Proponho que sejamos professores de espantos – Rubem Alves.

Que as crianças possam sempre ser crianças!

Children can always be children!
Translated
It looks like you may be having problems playing this video. If so, please try restarting your browser.
Close
Posted by Nice Day
75,632,389 Views
75,632,389 Views